02 de junho de 2017

Pets: as estações mudam e os cuidados também


Em cada estação, os cuidados com o bem-estar e saúde do seu pet mudam. É importante estar sempre atento em como deixar cada uma delas ainda mais agradável para o seu amigo de 4 patas. Confira o que fazer em casa estação para melhorar a qualidade de vida do seu pet. 

VERÃO
Os animais de estimação também precisam de cuidados para encarar as altas temperaturas. Os horários do dia em que o sol está mais forte devem ser evitados para passeios. Caso não houver alternativa, ao sair para passear nas altas temperaturas você deve usar os protetores solares nas partes mais expostas do animal, como orelhas, barriga e focinhos. As patinhas devem ser protegidas com sapatinhos, pois esquentam no chão quente causando irritação no pet e podendo até ferir o local. É melhor evitar as queimaduras. Se estiver muito quente para você, com certeza estará muito mais quente para eles. 

Dê água durante o percurso da caminhada com o cachorro, eles precisam ingerir bastante líquido quando gastam muita energia correndo ou pulando na hora do lazer. Também é importante tosar os animais com os pelos mais longos, para que eles não sofram tanto com o calor. 
Na hora de dormir, o ideal é um local bem ventilado é o ideal. Além disso, já existem colchões e tapetes térmicos, abastecidos com gel, ideais para momentos de calor. 

OUTONO
O sofrimento de cães e gatos domésticos provoca um crescimento de até 30% no número de atendimentos nas clínicas e hospitais veterinários durante o outono. Por isso é importante que você tenha conhecimento de algumas doenças comuns nesta estação.
A maioria das doenças que acomete os animais nesta época, tem origem respiratória. Elas são causadas por vírus ou bactérias e apresentam sintamos semelhantes ao de qualquer resfriado, ou seja, tosse, febre, espirros, coriza e falta de apetita. Mantenha seu amigo de 4 patas sempre longe dos ventos gelados.
O tempo seco reduz a quantidade de lágrimas nos olhos, deixando-os mais vulneráveis à poluição, ais vírus e às bactérias. Mantenha a higiene da região dos olhos sempre em dia.

As pastagens ficam mais secas, favorecendo consideravelmente a multiplicação da população de carrapatos. Portanto mantenha seu cão longe dos campos, pelo menos durante esta estação.
Doenças crônicas articulares costumam, aparecer tanto em cães quanto em gatos nesta estação, e são chamados de osteoartrose. Problemas na coluna são outra preocupação para os donos, sinalizados pela manifestação do próprio animal.
Nesta época há um aumento dos casos de gripe nos bichanos, em especial dos mais novos e idosos, cujo sistema imunológico é mais fragilizado. Por isso é importantíssimo que eles estejam com as vacinas sempre em dia

INVERNO  
Uma doença que pode ocorrer mais no inverno é a traqueobronquite infecciosa canina, também conhecida como tosse dos canis – semelhante a uma gripe. Deve ser tratada por um médico veterinário, pois pode levar à pneumonia. A melhor forma de evitar essa enfermidade é por meio da vacinação. Cães que sofrem de problemas osteoarticulares, tais como artrose, hérnia de disco e calcificação na coluna podem apresentar maior desconforto e dores durante o inverno. Assim como os humanos, que necessitam de agasalhos para não sentir frio, o animal também precisa de alternativas para se manter aquecido.
O ideal é colocá-lo em locais mais quentes, com o uso de casinhas, cobertores e roupas. Mesmo com os cuidados citados, se o animal apresentar dores, dificuldade de locomoção ou de se levantar, a indicação é procurar um médico veterinário.

Os banhos regulares devem ser evitados. É indicado aumentar o intervalo entre a lavagem do cãozinho ou gatinho, escolhendo dias e horários mais quentes. A temperatura da água deve ser morna, assim, o animal não sente frio. Caso lave os pelos, o dono deve secá-los de forma adequada e manter a pelagem mais longa durante essa época.
Os cuidados com a alimentação devem ser redobrados neste período. Para manter sua temperatura corporal, é necessário que sua taxa metabólica aumente para produzir
calor adicional, assim, aumentando sua necessidade de energia. Em casos específicos, a recomendação é acrescentar, em torno de 10%, o alimento oferecido, desde que o cão não esteja com sobrepeso ou obeso. É indicado também o uso de ração com mais quantidade de gorduras. O ideal é monitorar o peso do animal para verificar se a quantidade de comida fornecida deve ser alterada.
Elevar o consumo de calorias para o cãozinho não significa oferecer alimentos que não são específicos a ele. Com um alimento de qualidade e muito carinho, com certeza o seu companheiro passará o inverno de forma saudável e tranquila.

PRIMAVERA
O que muitos não sabem é que muitas das plantas que produzem lindas flores e enfeitam o quintal das casas e terraços dos apartamentos podem ser grandes inimigas dos nossos cães e gatos durante a primavera. Isto porque muitas delas são tóxicas para os animais e, por terem uma coloração bonita e atraente, acabam ingeridas por eles.
Neste caso, devemos evitar plantas que podem causar intoxicação torna-se essencial para proteger nossos amigos. Saber identificar os sintomas e correr para um atendimento emergencial veterinário para início precoce do tratamento, também é importante.
Azaleia: tão comum em nossos jardins, pode provocar vômitos, diarreia, salivação e até sintomas graves neurológicos como convulsão, coma e morte.

- Dama da noite: pode conter algumas substâncias tóxicas aos animais que, quando ingeridas, produzem taquicardia, falta de ar, salivação, pupila dos olhos dilatadas, excitação e até convulsões.
- Dedaleira: pode ser cardiotóxica e se ingerida produz arritmias cardíacas.
- Lírio: pode causar insuficiência renal. 
- Hortência e Copo de leite: podem causar vômitos, dificuldade para engolir , diarreia e sintomas neurológicos.
Portanto, assim como as crianças, os bichos devem ser constantemente monitorados para que possam viver felizes e saudáveis ao nosso lado.

CONTATO

Rua Jacob Ely, 498 | Sala 04 | Garibaldi, RS 54 3462.1108 (54) 9 9990 1108 contato@spader.eng.br